Menu
Busca segunda, 26 de julho de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Estapi Art 01 super banner
PECUÁRIA

Produção de ovos é recorde com alta em todos os setores da pecuária no 2º tri

Foram 942,45 milhões de dúzias de ovos de galinha

12 setembro 2019 - 15h18Por IBGE*

No segundo trimestre de 2019, a produção de ovos cresceu 7,2% em relação ao mesmo período do ano passado, e bateu o recorde da série histórica, iniciada em 1987. Foram 942,45 milhões de dúzias de ovos de galinha, segundo os resultados completos da Estatística da Produção Pecuária, divulgados hoje pelo IBGE.

continua depois da publicidade
ANUNCIO IMPACT 728X60 INSERÇÃO 03 OK
continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

A produção de ovos teve 62,91 milhões de dúzias a mais que no mesmo trimestre de 2018, e foi impulsionada por aumentos em 22 estados. São Paulo segue na liderança, com 28,9% do total nacional.

Além disso, todas as atividades da pecuária tiveram variações positivas no segundo trimestre de 2019, quando comparadas ao mesmo período de 2018. Concorreram para isso não só os preços favoráveis no mercado externo como também a influência da paralisação dos caminhoneiros, em maio do ano passado, sobre a base de comparação.

As taxas foram positivas para o abate de bovinos (3,5%), de suínos (5,2%) e de frangos (3,4%), assim como para a aquisição de leite (6,9%) e a de couro (1%).

O mercado das carnes está aquecido pelo aumento da demanda externa, sobretudo na China. “A peste suína africana, que ocorreu na China, aumentou a demanda por carnes brasileiras de todos os tipos”, explica a gerente de Pecuária do IBGE, Angela Lordão.

Ela também destaca o crescimento do abate de novilhas. “É um novo nicho no mercado das carnes premium, que começou a se destacar a partir de 2018”.

Com isso, no segundo trimestre de 2019, foram abatidas 8,04 milhões de bovinos, cerca de 268,55 mil cabeças a mais que no mesmo período de 2018. Também foram abatidas 11,39 milhões de suínos, o melhor segundo trimestre desde 1997. Já o abate de frangos chegou a 1,42 bilhão de cabeças, com alta de 3,4% em relação ao mesmo período de 2018.

Quando comparadas ao trimestre imediatamente anterior, as taxas foram positivas para o abate de bovinos (1,4%) e de suínos (0,9%), além da produção de ovos (1,9%). Já o abate de frangos (-0,9%) e as aquisições de leite (-5,8%) e couro (-0,9%) recuaram nessa comparação.

*Fonte: Agência IBGE

Deixe seu Comentário

Leia Também

FINANÇAS
Com informação, orçamento familiar tem melhora de até 70% na rentabilidade
MERCADO INTERNACIONAL
Temor com variante delta eleva dólar para R$ 5,25
ANÁLISE CEPEA
Indicador do milho se aproxima de R$100/sc
ESPECIAL PUBLICITÁRIO
90 Anos da Fendt e 25 anos da transmissão vario
ANÁLISE CEPEA
Preço da soja volta a subir com força no Brasil
OPORTUNIDADE!
Embrapa realiza curso sobre pecuária de leite para jornalistas
ANÁLISE CEPEA
Geadas afastam vendedores do spot; Milho volta a se valoriza
ESPECIAL PUBLICITÁRIO
Aplicações com resina epóxi transformam cortes de madeira e até pedras em finas obras de decoração
SAFRA 2021/22
Ministério da Agricultura lança plano safra 2021/22 nesta terça-feira (22)
MERCADO INTERNACIONAL
Exportações de carne suína de Mato Grosso do Sul crescem 131% em 2021