Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
(67) 99874-0557
ANÁLISE CEPEA

Preço do leite pago ao produtor registra alta de 2 centavos em maio

A expressiva valorização do leite ao produtor está atrelada à oferta limitada no campo e à maior competição entre indústrias para garantir a compra de matéria-prima

30 maio 2019 - 16h32Por * Conteúdo: Cepea/Esalq-Usp

O preço do leite ao produtor registrou a quinta alta consecutiva em maio, chegando a R$ 1,5175/litro na “Média Brasil” líquida, aumento de 2 centavos (ou de 1,7%) frente a abril, segundo levantamento do Cepea, Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, da Esalq/USP. A média de maio foi 15,6% superior à do mesmo mês de 2018, em termos reais (os valores foram deflacionados pelo IPCA de abril/19). Desde o início do ano, os preços do leite ao produtor já subiram 20,4%. 

continua depois da publicidade
Horta Orgânica

É importante observar que, ao longo de 2019, os valores do leite no campo têm atingido os maiores patamares da série do Cepea para os respectivos meses. O preço médio de janeiro a maio de 2019 supera em 25,3% o do mesmo período do ano passado, em termos reais. A expressiva valorização do leite ao produtor está atrelada à oferta limitada no campo e à maior competição entre indústrias para garantir a compra de matéria-prima. O Índice de Captação Leiteira do Cepea (ICAP-L) caiu 0,7% de março para abril e já acumula recuo de 9,8% desde o início do ano.

Para o pecuarista, o momento é de aumento das margens. Segundo pesquisas do Cepea, o aumento do Custo Operacional Efetivo (COE), que considera os desembolsos correntes das propriedades leiteiras, foi de apenas 0,57% no acumulado da “média Brasil” de janeiro a abril, muito abaixo da alta verificada na receita.

No entanto, os laticínios enfrentam dificuldades em repassar a alta da matéria-prima para o consumidor. As médias de preços do leite UHT e do queijo muçarela de janeiro a maio deste ano estão, respectivamente, 7,5% e 9,8% superiores às do mesmo período de 2018, em termos reais. Desde o início do ano, a cotação média da muçarela negociada entre indústrias e atacado do estado de São Paulo teve alta acumulada de apenas 3%, mas atingiu patamares muito acima dos verificados em anos anteriores. Por outro lado, o leite UHT se valorizou em 20,8% no acumulado de 2019, mas os patamares de preços continuam próximos dos negociados em 2018.

No atual contexto de estagnação econômica e de consumo fragilizado, observa-se concorrência acirrada entre os laticínios para a venda de derivados, além de elevada pressão dos canais de distribuição para reduções nos preços dos lácteos. Com margens espremidas, as indústrias devem pressionar o segmento produtivo nos próximos meses. 

Diante desse cenário, é importante que o pecuarista se mantenha informado e aproveite o momento de melhor receita para se planejar com cautela. Também é essencial que a relação entre produtor e indústria se fortaleça para evitar que as especulações e ruídos de informação prejudiquem as atividades no longo prazo. 

* Conteúdo: Cepea/Esalq-Usp

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAFRA 2021/22
Ministério da Agricultura lança plano safra 2021/22 nesta terça-feira (22)
MERCADO INTERNACIONAL
Exportações de carne suína de Mato Grosso do Sul crescem 131% em 2021
ECONOMIA
Exportações do agronegócio de MS crescem 12% e passam de US$ 2,6 bilhões
ANÁLISE CEPEA
Com baixa oferta de animais em peso de abate, preço do suíno vivo sobe
SUA LAVOURA MERECE!
Com 517 cv, Fendt 1000 Vario esbanja tecnologia e é considerado o maior trator monobloco do mundo
BIOTECNOLOGIA
Região Sul-Fronteira de MS é a que mais se dedica ao manejo biológico da soja
70 ANOS!
Eduardo Riedel confirma apresentação nos 70 anos do SRCG
ANÁLISE CEPEA
Alta externa eleva movimentação de soja nos portos brasileiros
MADEIRA
Com grande reserva de madeira, MS tem potencial de exportação para gigantes da celulose
RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos