Menu
Busca terça, 22 de junho de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner 03
MERCADO DO BOI

Importação de gado vivo do Paraguai preocupa criadores de MS

Presidente do Sindicato Rural de Campo Grande diz que solução é temerária e pode prejudicar pecuaristas brasileiros

08 fevereiro 2021 - 17h29Por Agência Rural*

O presidente do Sindicato Rural de Campo Grande, Rochedo e Corguinho (SRCG), Alessandro Coelho, se pronunciou nesta segunda-feira (8) discordando sobre a importação de gado do país vizinho, Paraguai, pelas indústrias frigoríficas sul-mato-grossenses, que confirmam a falta de animais locais para abate.

continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

Sinalizando o tema como uma pauta delicada, o presidente confirma que compreende a situação dos frigoríficos e suas necessidades, mas que o tema precisa de cautela. “Trata-se de uma questão a ser pensada e analisada, tendo em vista que por várias vezes os pecuaristas de Mato Grosso do Sul foram prejudicados pelas altas dos preços no Paraguai e, nunca ocorreu exportação de gado para o Paraguai, quando houve falta de oferta no país vizinho”, esclarece.

“A indústria paraguaia conseguiu superar os problemas, quando houve queda no rebanho do outro lado da fronteira. Entendemos a situação das indústrias de MS, sabemos das dificuldades e insuficiência de produto, tendo em vista que além de não ter boi pronto e acabado, também temos problemas logísticos nesta época do ano, de estradas, isso acaba prejudicando o escoamento da produção e a chegada de insumos para acabamento deste gado. Acreditamos, como pecuarista, que a solução é temerária e que pode vir a prejudicar, o futuro os pecuaristas do Mato Grosso do Sul”, pontua Alessandro Coelho.

O presidente destaca, ainda, que os custos de produção da pecuária do Paraguai são bem inferiores aos praticados no Brasil, o que gera uma concorrência injusta. “Uma abertura de mercado nesses moldes, pode acarretar desestímulo ao pecuaristas sul-mato-grossenses, tanto econômico, como social. Sem citar que isso impactaria a produção, da mesma forma como ocorreu com a produção de arroz no estado, que já foi referência na cultura e atualmente importa a maior parte do que consome”, alerta.

Alessandro Coelho, Presidente do Sindicato Rural de Campo Grande

“Gostaríamos muito que o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, analisasse com bastante precaução esta situação, avaliando os pontos, sob o risco de, em um curto prazo, haver pressão por parte da oferta do país vizinho dentro do nosso país, podendo causar prejuízos à atividade no Estado, que passou por severas crises nos últimos anos”, conclui o presidente do Sindicado.

A diretoria do SRCG acompanha de perto os desdobramentos da situação e se preocupa tanto com a falta de animais para abate, mas, principalmente, com os riscos mercadológicos que a importação de gado paraguaio pode representar à curto e médio prazo.

Entenda o caso da importação de gado vivo do Paraguai

As especulações sobre o interesse da gigante JBS em comprar boi gordo do país vizinho se intensificaram nas últimas semanas. Parece assunto novo, mas, a verdade é que a notícia ganhou destaque da mídia no fim de 2019, quando a companhia teria manifestado interesse em buscar boi vivo do Paraguai. Afinal, estaria a empresa pronta para negociar gado do outro lado da porteira?

Agência Rural foi em busca de respostas e constatou, por meio de fontes ligadas ao setor de carnes, que há mesmo o interesse da indústria em importar gado do Paraguai. Segundo apuração, os animais entrariam pela fronteira com Mato Grosso do Sul e seriam abatidos no estado de São Paulo. A justificativa para a transação seria a pouca oferta de gado pronto para abate no mercado brasileiro. Coincidências à parte, o assunto volta às rodas de bate-papo no momento em que a arroba do boi gordo rompe a barreira dos R$ 300,00 em SP.

Em Mato Grosso do Sul, a Superintendência Federal de Agricultura, confirmou que a JBS teria dado entrada nos papéis há cerca de um ano. A SFA informou, também, que a parte sanitária, da qual faz parte o processo, estaria em ordem. Por outro lado, falta a liberação de documentos importantes, como o protocolo de intenções, assinado pelos dois países. Em outras palavras, Brasil e Paraguai precisam avaliar as vantagens e a viabilidade do negócio, antes de baterem o martelo. 

Em nota, enviada no dia 2 de fevereiro à Agência Rural, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento informou que a importação de gado do Paraguai para o Brasil ainda não está autorizada. O tema, segundo a assesoria de comunicação do órgão, vem sendo tratado entre os Ministérios da Agricultura dos dois países. De acordo com o Mapa, não há informação de autorização específica para uma empresa. Por fim, a nota esclarece que "caso os entendimentos entre os ministérios do Brasil e do Paraguai venham a viabilizar a autorização de importação, o documento valerá para qualquer empresa que cumpra os requisitos sanitários estabelecidos".

A produção da Agência Rural entrou em contato com a assessoria de comunicação da JBS para falar sobre o interesse na importação de gado, mas, foi informada que a companhia não comenta o assunto.

*Fonte: Agência Rural, com informações de Diego Silva/Agro Agência

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAFRA 2021/22
Ministério da Agricultura lança plano safra 2021/22 nesta terça-feira (22)
MERCADO INTERNACIONAL
Exportações de carne suína de Mato Grosso do Sul crescem 131% em 2021
ECONOMIA
Exportações do agronegócio de MS crescem 12% e passam de US$ 2,6 bilhões
ANÁLISE CEPEA
Com baixa oferta de animais em peso de abate, preço do suíno vivo sobe
SUA LAVOURA MERECE!
Com 517 cv, Fendt 1000 Vario esbanja tecnologia e é considerado o maior trator monobloco do mundo
BIOTECNOLOGIA
Região Sul-Fronteira de MS é a que mais se dedica ao manejo biológico da soja
70 ANOS!
Eduardo Riedel confirma apresentação nos 70 anos do SRCG
ANÁLISE CEPEA
Alta externa eleva movimentação de soja nos portos brasileiros
MADEIRA
Com grande reserva de madeira, MS tem potencial de exportação para gigantes da celulose
RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos