Menu
Busca segunda, 27 de setembro de 2021
(67) 99874-0557
SENAR-MS Campanha Prevenção Incêndios 2021
ANÁLISE CEPEA

Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021

Dependência das vendas à China já preocupa a suinocultura brasileira há algum tempo

15 fevereiro 2021 - 09h23Por Esalq/Cepea-Usp*

As exportações totais de carne suína tiveram forte recuo em janeiro, chegando ao menor volume desde agosto de 2019. A retração das compras por parte da China, principal destino do setor, motivou a diminuição dos embarques. A análise é do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada, Cepea/Esalq/USP.

continua depois da publicidade
Campanha Fendt última semana de Setembro liderboard
continua depois da publicidade
Campanha Fendt última semana de Setembro Square

Segundo analistas do Cepea, ressalta-se que essa dependência das vendas ao país asiático já preocupa a suinocultura brasileira há algum tempo e isso tem levado o setor a buscar cada vez mais novos demandantes externos. Segundo dados divulgados pela Secex e compilados pelo Cepea, no total de janeiro, foram exportadas 62,2 mil toneladas de carne suína, considerandose produtos processados e in natura, quedas expressivas de 24,4% na comparação com dezembro e de 8,6% frente ao de janeiro/20. Trata-se, também, do menor volume em 17 meses.

Mesmo com a desvalorização do Real frente ao dólar em janeiro, a receita gerada pelo setor ainda foi a menor em 11 meses, puxada justamente pela queda no volume embarcado. Na média do primeiro mês de 2021, os embarques geraram ao setor R$ 779 milhões, sendo 19,6% abaixo do montante de dezembro, mas ainda 14,7% acima do observado em janeiro/20. De dezembro a janeiro, os embarques à China recuaram 27,4%, totalizando 32,6 mil toneladas no último mês. Ainda de acordo com a Secex, a China foi destino de 52,5% de toda carne suína exportada pelo Brasil em janeiro, 2,2 pontos percentuais a menos do que em dezembro. 

Ainda conforme análise do Cepea, a possibilidade das vendas à China esfriarem em 2021 deixa o setor brasileiro em alerta, uma vez que as vendas externas contribuem para equilibrar a disponibilidade interna de carne suína, principalmente em períodos de consumo doméstico enfraquecido, como é o caso do cenário atual. Essa situação, de acordo com analistas do centro de estudos, inclusive, já foi vivenciada pelo setor.

O incremento nas compras chinesas é recente – sendo verificado a partir de meados de 2019 – e, até então, o principal destino externo do setor suinícola nacional era a Rússia, que chegou a ser responsável por 38,2% dos embarques brasileiros em novembro/17. No encerramento de 2017, contudo, o país russo reduziu drasticamente as aquisições da proteína brasileira, trazendo forte recuo nos preços internos do setor.

Conteúdo: Esalq/Cepea/USP

Deixe seu Comentário

Leia Também

MERCADO DA SOJA
Saca da soja acumula valorização de 13% em 12 meses, em MS
MANEJO APÍCOLA
A exemplo das abelhas, gestão e logística são essenciais na multiplicação dos enxames
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Cientistas combinam imagens multiespectrais com raios X para analisar sementes
GESTÃO DE RISCOS
Guia virtual orienta produtores sobre o funcionamento do seguro rural
MERCADO FINANCEIRO
Bolsa cai pelo segundo dia e perde 2,48% em agosto
CRÉDITO FUNDIÁRIO
Prazo para análise de financiamento de imóvel para agricultores familiares diminui para seis meses
ANÁLISE CEPEA
Dados oficiais do IBGE confirmam baixa oferta de animais para abate
ECONOMIA
MS tem crescimento populacional acima da média nacional, com agronegócio impulsionando interior
ARMAZENAMENTO
Conab tem 150 imóveis qualificados no PPI; Hortomercados do RJ estão incluídos
PERSPECTIVAS
Conab estima produção total de 289,6 milhões de toneladas de grãos para safra 2021/22