Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner
BOLETIM DO SUÍNO

Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe

Veja os detalhes na análise dos pesquisadores do Cepea

16 fevereiro 2021 - 08h37Por Cepea/Esalq-Usp*

Os preços do suíno vivo recuaram em janeiro, enquanto os do milho e do farelo de soja, importantes insumos consumidos na atividade, subiram. É o que mostra o Boletim do Suíno, referente ao mês de janeiro de 2021, elaborado pelos técnicos do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - Cepea/Esalq/Usp. Segundo relaório, o poder de compra dos suinocultores frente ao milho e ao derivado da soja caiu frente ao registrado em dezembro de 2020.

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

Veja análise da equipe:

Vale ressaltar que esse foi o quarto mês seguido de queda no poder de compra do produtor. Para o suinocultor do interior do estado de São Paulo, considerando-se o suíno comercializado no mercado independente da região SP-5 (Bragança Paulista, Campinas, Piracicaba, São Paulo e Sorocaba) e o milho na região de Campinas (Indicador ESALQ/BM&FBovespa), foi possível a compra de 5,14 quilos de milho com a venda de um quilo de animal na média de janeiro, expressiva baixa de 13,5% frente a dezembro.

Quanto ao farelo de soja negociado no mercado de lotes de Campinas, a queda mensal no poder de compra foi de 9,8%, sendo possível ao produtor adquirir 2,59 quilos do derivado com a venda de um quilo de suíno na média de janeiro.

No Oeste Catarinense, foi possível ao suinocultor a compra de 5,36 quilos de milho com a venda de um quilo de suíno na média de janeiro, forte redução de 11,2% frente à quantidade observada em dezembro. Frente ao farelo de soja, o recuo mensal no poder de compra do suinocultor foi de 8,4%, sendo possível a compra de 2,87 quilos do derivado com a venda de um quilo do animal na média do mês.

Segundo levantamento da Equipe Grãos/Cepea, em janeiro, o preço do milho (Indicador ESALQ/BM&FBovespa) renovou o recorde nominal da série, iniciada em 2004. O baixo estoque brasileiro, a queda na produção, e o preço elevado das exportações do cereal impulsionaram os valores domésticos.

Em janeiro, o milho registrou média de R$ 83,65/saca de 60 kg na região de Campinas, forte avanço de 11% frente a dezembro. No mercado de lotes da praça de Chapecó (SC), o cereal foi negociado na média de R$ 87,16/sc em janeiro, aumento de 9,2% frente a dezembro.

No mercado de farelo de soja, as cotações também renovaram o recorde nominal da série, iniciada em 2004, e os preços de janeiro dobraram frente ao observado no mesmo mês de 2020. Com o valor da soja em alta e as demandas interna e externa pelo farelo aquecidas, os preços do derivado se elevaram no Brasil. De dezembro a janeiro, as cotações deste insumo subiram 6,7% em Campinas e 6,1% em Chapecó, com as médias de janeiro a R$ 2.774,78/tonelada na praça paulista e a R$ 2.720,52/t na catarinense.

* Conteúdo: Cepea/Esalq-Usp

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita
EVOLUÇÃO
MS registra o 2º maior crescimento de produção de grãos do País, aponta a Conab