Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Estapi Art 01 super banner
BRASIL-JAPÃO

Tereza Cristina defende ampliação do comércio agrícola bilateral

Ministra apresentou lista de estados que podem exportar carne bovina e suína para os japoneses e debateu a abertura do mercado para o abacate brasileiro

27 agosto 2019 - 11h15Por MAPA*

Ao abrir o 4º Diálogo Brasil-Japão, na Fiesp, em São Paulo, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) defendeu nesta segunda-feira (26) a ampliação do comércio entre os dois países. O ministro japonês da Agricultura, Floresta e Pesca, Takamori Yoshikawa, também participou do evento.

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
JA Training

Tereza Cristina e Yoshikawa reuniram-se, em maio, em Tóquio, quando a ministra fez uma viagem ao país. Na ocasião, foi confirmada a realização do diálogo no Brasil e a presença do ministro japonês. 

Em discurso, ela disse que o fluxo comercial do agronegócio entre os dois países cresceu 130% nos últimos 20 anos, porém o Brasil não figura entre os principais destinos dos investimentos japoneses no exterior.

O Japão é o quarto maior importador de produtos agrícolas do mundo. E o Brasil é o principal fornecedor de alguns deles, como carne de frango in natura, café verde, etanol e suco de laranja. Em 2018, os produtos brasileiros foram responsáveis por apenas 3,2% das importações agrícolas do mercado japonês.

“O Brasil é comprovadamente uma terra de oportunidades e um destino confiável para o capital estrangeiro. Gostaria de destacar o potencial de investimentos em infraestrutura e logística em nosso país e, em especial, no escoamento da produção agrícola”, disse a ministra. 

Tereza Cristina destacou que o agro brasileiro atende às exigências dos compradores globais. A ministra citou a eficiência do sistema de defesa sanitária agropecuária e o fato de 66% da vegetação nativa serem preservados no território nacional.

“Os exigentes compradores globais precisam ser informados sobre a realidade da produção dos alimentos no Brasil, desde a sua origem nas fazendas até a mesa do consumidor. É fundamental que o mundo conheça o exemplo que a agricultura brasileira tem a dar em aspectos ambientais, sociais e trabalhistas”.

Carnes

Em reunião bilateral com o ministro japonês, Tereza Cristina apresentou a oportunidade de exportação para o país asiático de carne bovina e suína dos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Rondônia. Segundo ela, o Japão costumeiramente importa carne de países livres de aftosa sem vacinação. E no Brasil só o estado de Santa Catarina tem essa condição.

“Eu propus a ele um bloco de estados e as tratativas estão sendo discutidas para a gente poder atingir esse objetivo. Estamos avançando e espero que ano que vem a gente tenha já uma missão [japonesa] vindo aqui para ver esses estados, com exceção de Santa Catarina, que não necessita de visitas técnicas”, disse.

A ministra também anunciou as negociações para abrir o mercado brasileiro de abacate e disse que o Japão tem muito interesse em uma cooperação entre universidades japonesas e brasileiras e a Embrapa, na área de segurança alimentar.

*Fonte: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita