Menu
Busca terça, 19 de outubro de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Agrinho 11-10 10-09
BRASIL-JAPÃO

Tereza Cristina defende ampliação do comércio agrícola bilateral

Ministra apresentou lista de estados que podem exportar carne bovina e suína para os japoneses e debateu a abertura do mercado para o abacate brasileiro

27 agosto 2019 - 11h15Por MAPA*

Ao abrir o 4º Diálogo Brasil-Japão, na Fiesp, em São Paulo, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) defendeu nesta segunda-feira (26) a ampliação do comércio entre os dois países. O ministro japonês da Agricultura, Floresta e Pesca, Takamori Yoshikawa, também participou do evento.

continua depois da publicidade
Campanha Agrinho 11-10 10-09

Tereza Cristina e Yoshikawa reuniram-se, em maio, em Tóquio, quando a ministra fez uma viagem ao país. Na ocasião, foi confirmada a realização do diálogo no Brasil e a presença do ministro japonês. 

Em discurso, ela disse que o fluxo comercial do agronegócio entre os dois países cresceu 130% nos últimos 20 anos, porém o Brasil não figura entre os principais destinos dos investimentos japoneses no exterior.

O Japão é o quarto maior importador de produtos agrícolas do mundo. E o Brasil é o principal fornecedor de alguns deles, como carne de frango in natura, café verde, etanol e suco de laranja. Em 2018, os produtos brasileiros foram responsáveis por apenas 3,2% das importações agrícolas do mercado japonês.

“O Brasil é comprovadamente uma terra de oportunidades e um destino confiável para o capital estrangeiro. Gostaria de destacar o potencial de investimentos em infraestrutura e logística em nosso país e, em especial, no escoamento da produção agrícola”, disse a ministra. 

Tereza Cristina destacou que o agro brasileiro atende às exigências dos compradores globais. A ministra citou a eficiência do sistema de defesa sanitária agropecuária e o fato de 66% da vegetação nativa serem preservados no território nacional.

“Os exigentes compradores globais precisam ser informados sobre a realidade da produção dos alimentos no Brasil, desde a sua origem nas fazendas até a mesa do consumidor. É fundamental que o mundo conheça o exemplo que a agricultura brasileira tem a dar em aspectos ambientais, sociais e trabalhistas”.

Carnes

Em reunião bilateral com o ministro japonês, Tereza Cristina apresentou a oportunidade de exportação para o país asiático de carne bovina e suína dos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Rondônia. Segundo ela, o Japão costumeiramente importa carne de países livres de aftosa sem vacinação. E no Brasil só o estado de Santa Catarina tem essa condição.

“Eu propus a ele um bloco de estados e as tratativas estão sendo discutidas para a gente poder atingir esse objetivo. Estamos avançando e espero que ano que vem a gente tenha já uma missão [japonesa] vindo aqui para ver esses estados, com exceção de Santa Catarina, que não necessita de visitas técnicas”, disse.

A ministra também anunciou as negociações para abrir o mercado brasileiro de abacate e disse que o Japão tem muito interesse em uma cooperação entre universidades japonesas e brasileiras e a Embrapa, na área de segurança alimentar.

*Fonte: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAFRA DE MILHO
Com 109 sacas, por hectare, Alcinópolis tem a maior produtividade média de MS, na safrinha
ANÁLISE CEPEA
Com novo reajuste, preço do ovo branco se aproxima do recorde nominal
SAFRA DE SOJA 21/22
Incertezas com relação ao comportamento do clima esfriam expectativas de super safra em MS
MERCADO DA SOJA
Saca da soja acumula valorização de 13% em 12 meses, em MS
MANEJO APÍCOLA
A exemplo das abelhas, gestão e logística são essenciais na multiplicação dos enxames
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Cientistas combinam imagens multiespectrais com raios X para analisar sementes
GESTÃO DE RISCOS
Guia virtual orienta produtores sobre o funcionamento do seguro rural
MERCADO FINANCEIRO
Bolsa cai pelo segundo dia e perde 2,48% em agosto
CRÉDITO FUNDIÁRIO
Prazo para análise de financiamento de imóvel para agricultores familiares diminui para seis meses
ANÁLISE CEPEA
Dados oficiais do IBGE confirmam baixa oferta de animais para abate