Menu
Busca domingo, 01 de agosto de 2021
(67) 99874-0557
ANUNCIO IMPACT 1260X200 INSERÇÃO 03
MERCADO INTERNACIONAL

Ganhos do Brasil com exportação são temporários, diz diretor da OMC

Sobre o impacto da guerra comercial na economia mundial, ele disse que, se houver acordo no curto prazo, os efeitos não serão significantes

05 setembro 2019 - 15h49Por Agência Brasil*

Ao participar hoje (5) do 7º Fórum de Agricultura da América do Sul, em Curitiba, o diretor da Divisão Agrícola e de Commodities da Organização Mundial do Comércio (OMC), Edwini Kessie, disse que os ganhos atuais do Brasil com o aumento nas exportações são temporários, principalmente de soja para a China, em meio à guerra comercial do país asiático com os Estados Unidos.

continua depois da publicidade
ANUNCIO IMPACT 728X60 INSERÇÃO 03 OK
continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

Kessie destacou que, se o Brasil aumentar agora os investimentos para exportar mais soja, quando os Estados Unidos voltarem a vender o produto para a China a tendência é que os preços caiam, o que pode prejudicar o setor brasileiro.

Sobre o impacto da guerra comercial na economia mundial, ele disse que, se houver acordo no curto prazo, os efeitos não serão significantes.

Em painel no fórum, o diretor afirmou que essa guerra não é benéfica para o mundo, porque gera incertezas. “Isso não é bom para os negócios que requerem previsibilidade”.

Balança comercial

Para o consultor em comércio exterior Fábio Carneiro Cunha a tendência é que o Brasil mantenha ganhos na balança comercial por mais um ano.

Ele destacou, entretanto, que a disputa entre os dois países também gera o efeito de aumento das importações de produtos eletrônicos e plástico, por exemplo, o que afeta a indústria brasileira. Segundo o diretor, isso ocorre porque China e Estados Unidos, passam a enviar esses produtos para países como o Brasil.

“Houve aumento de exportação de soja, de milho. Mas ao mesmo tempo, houve aumento de importações dos dois países de setores que já sofrem com isso, como o de comércio eletrônico e plástico. Então, quem está preparado para exportar tem um benefício transitório, mas quem tem normalmente dificuldades com o comércio exterior está sofrendo ainda mais”, afirmou.

A disputa comercial iniciada entre entre China e Estados Unidos no ano passado aumentou as exportações brasileiras para a China em US$ 8,1 bilhões, em 2018, em comparação com o ano anterior. As vendas nacionais passaram de US$ 22,589 bilhões, em 2017, para US$ 30,706 bilhões.

O maior salto em valor de exportação ocorreu com a soja. Produtores chineses compraram US$ 7 bilhões a mais no ano passado do que em 2017. Os dados são de levantamento divulgado em maio pela Confederação Nacional da Indústria, que cruzou dados de produtos americanos que tiveram os impostos de importação elevados.

*Fonte: Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPECIAL PUBLICITÁRIO
Fendt IDEAL: nenhuma outra colheitadeira oferece mais tecnologia e potência
SISTEMAS ALIMENTARES
Combate à fome e papel das mulheres na produção de alimentos são temas de evento em Roma
SEGURANÇA ALIMENTAR
PAA já entregou mais de 570 toneladas de alimentos para doação em MS
ANÁLISE CEPEA
Queda externa interrompe movimento de alta dos preços da soja no Brasil
ECONOMIA
MS se mantém na liderança da exportação de tilápia no primeiro semestre de 2021
FINANÇAS
Com informação, orçamento familiar tem melhora de até 70% na rentabilidade
MERCADO INTERNACIONAL
Temor com variante delta eleva dólar para R$ 5,25
ANÁLISE CEPEA
Indicador do milho se aproxima de R$100/sc
ESPECIAL PUBLICITÁRIO
90 Anos da Fendt e 25 anos da transmissão vario
ANÁLISE CEPEA
Preço da soja volta a subir com força no Brasil