Menu
Busca terça, 09 de março de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Estapi Art 01 super banner
RECUPERAÇÃO

Saca do milho registra aumento de 25% em maio

Segundo departamento técnico da Federação da Agricultura e Pecuária, preço no mercado interno voltou a subir devido a valorização do dólar frente ao real e uma demanda mais aquecida

30 maio 2019 - 15h34Por Agência Rural

Apesar de seguir com valores inferiores aos praticados no começo de 2019, o mercado do milho reagiu nas últimas semanas em Mato Grosso do Sul. Levantamento do departamento técnico da Federação da Agricultura e Pecuária do estado mostra que o preço do cereal encerra o mês de maio com valorização de 25%. Na última semana do mês as cotações chegaram aos R$ 27,50.

continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

Para o coordenador do departamento técnico da Famasul, Justino Mendes, a recuperação das cotações estão atreladas a vários fatores. Entre eles a valorização do dólar frente ao real e o aumento da demanda mundial, já que não há previsões concretas sobre o volume de milho que será colhido na próxima safra pelos Estados Unidos. " Os norte-americanos já concluíram o plantio do milho e com dificuldades por causa do clima. Como a janela é muito curta, agora, eles se concentram no plantio da soja", analisa o coordenador.

Muitos analistas acreditam que a recuperação de preços indica que o mercado dificilmente apontará para os valores mínimos de comercialização, mesmo durante a colheita. O otimismo vem da boa expectativa com o mercado interno, que deve demandar mais matéria-prima para a produção de proteína animal. O milho é a base da ração de aves e suínos, com participação de aproximadamente 70% na mistura. 

O mercado da carne brasileira está de olho na oportunidade que se abriu na Ásia, com os problemas causados pela peste suína africana. Assim que retornou da viagem à China a ministra da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina Correa, disse que por causa da doença, os chineses precisam importar muita carne suína. "A quantidade que eles [chineses] precisam de carne suína, o mundo inteiro, junto, não tem condições de suprir". Se tivermos juízo e cumprirmos o que está no protocolo, teremos muito mercado". Disse a ministra a jornalistas durante audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, na semana passada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita
EVOLUÇÃO
MS registra o 2º maior crescimento de produção de grãos do País, aponta a Conab
MERCADO DO BOI
Importação de gado vivo do Paraguai preocupa criadores de MS
ECONOMIA
Petrobras aumenta preço da gasolina em cerca de 8% nas refinarias
ECONOMIA
Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%
OPORTUNIDADE!
Agência Rural lança programa de fidelização de anunciantes