Menu
Busca segunda, 27 de setembro de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Fendt última semana de Setembro
RECUPERAÇÃO

Saca do milho registra aumento de 25% em maio

Segundo departamento técnico da Federação da Agricultura e Pecuária, preço no mercado interno voltou a subir devido a valorização do dólar frente ao real e uma demanda mais aquecida

30 maio 2019 - 15h34Por Agência Rural

Apesar de seguir com valores inferiores aos praticados no começo de 2019, o mercado do milho reagiu nas últimas semanas em Mato Grosso do Sul. Levantamento do departamento técnico da Federação da Agricultura e Pecuária do estado mostra que o preço do cereal encerra o mês de maio com valorização de 25%. Na última semana do mês as cotações chegaram aos R$ 27,50.

continua depois da publicidade
Campanha Fendt última semana de Setembro liderboard
continua depois da publicidade
Campanha Fendt última semana de Setembro Square

Para o coordenador do departamento técnico da Famasul, Justino Mendes, a recuperação das cotações estão atreladas a vários fatores. Entre eles a valorização do dólar frente ao real e o aumento da demanda mundial, já que não há previsões concretas sobre o volume de milho que será colhido na próxima safra pelos Estados Unidos. " Os norte-americanos já concluíram o plantio do milho e com dificuldades por causa do clima. Como a janela é muito curta, agora, eles se concentram no plantio da soja", analisa o coordenador.

Muitos analistas acreditam que a recuperação de preços indica que o mercado dificilmente apontará para os valores mínimos de comercialização, mesmo durante a colheita. O otimismo vem da boa expectativa com o mercado interno, que deve demandar mais matéria-prima para a produção de proteína animal. O milho é a base da ração de aves e suínos, com participação de aproximadamente 70% na mistura. 

O mercado da carne brasileira está de olho na oportunidade que se abriu na Ásia, com os problemas causados pela peste suína africana. Assim que retornou da viagem à China a ministra da Agricultura Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina Correa, disse que por causa da doença, os chineses precisam importar muita carne suína. "A quantidade que eles [chineses] precisam de carne suína, o mundo inteiro, junto, não tem condições de suprir". Se tivermos juízo e cumprirmos o que está no protocolo, teremos muito mercado". Disse a ministra a jornalistas durante audiência pública na Comissão de Agricultura da Câmara dos Deputados, na semana passada.

Deixe seu Comentário

Leia Também

MERCADO DA SOJA
Saca da soja acumula valorização de 13% em 12 meses, em MS
MANEJO APÍCOLA
A exemplo das abelhas, gestão e logística são essenciais na multiplicação dos enxames
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Cientistas combinam imagens multiespectrais com raios X para analisar sementes
GESTÃO DE RISCOS
Guia virtual orienta produtores sobre o funcionamento do seguro rural
MERCADO FINANCEIRO
Bolsa cai pelo segundo dia e perde 2,48% em agosto
CRÉDITO FUNDIÁRIO
Prazo para análise de financiamento de imóvel para agricultores familiares diminui para seis meses
ANÁLISE CEPEA
Dados oficiais do IBGE confirmam baixa oferta de animais para abate
ECONOMIA
MS tem crescimento populacional acima da média nacional, com agronegócio impulsionando interior
ARMAZENAMENTO
Conab tem 150 imóveis qualificados no PPI; Hortomercados do RJ estão incluídos
PERSPECTIVAS
Conab estima produção total de 289,6 milhões de toneladas de grãos para safra 2021/22