Menu
Busca quinta, 04 de março de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner
POLÍTICA AGRÍCOLA

Comercializações internas de milho estão mais caras em Mato Grosso

Produtor pagará alíquota de 17% de ICMS

30 julho 2019 - 14h55Por Aprosoja MT*

Comercialização interna (pessoa física) de milho está mais cara em Mato Grosso. Isso porque, o Governo do Estado ainda não regulamentou, por meio de lei, a prorrogação do Convênio 100/97, anunciada pelo Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) em abril deste ano. O Convênio em questão, trata da redução da base de cálculo do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide nas saídas interestaduais dos insumos agrícolas, como defensivos e fertilizantes, e isenção deste imposto quando ocorre operações internas.

continua depois da publicidade
Programa de fidelização banner 02

O milho é considerado insumo quando destinado à alimentação animal ou ao emprego na fabricação de ração animal. Via de regra, hoje o produtor que vender milho para esta finalidade, como, por exemplo, para um pecuarista dentro de Mato Grosso, pagará alíquota de 17% de ICMS, isto tendo em vista que a prorrogação do Convênio 100/97 ainda não foi regulamentada pelo Estado.

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) orienta os associados não realizarem negociações internas até que a situação seja regularizada pelo Governo do Estado de Mato Grosso, com a regulamentação da prorrogação do referido convênio.

De acordo com presidente da entidade, Antonio Galvan, a situação é preocupante e prejudicial para o Estado. “É muito preocupante, porque o Governo deveria ter encaminhado um projeto de lei para Assembleia Legislativa para reconhecer essa renovação de um ano do Convênio 100/97, e garantir a isenção do ICMS nas transações internas.  Então o produtor que vender milho para um pecuarista, por exemplo, não tem mais essa isenção dentro do nosso Estado. Nossa orientação é que os produtores de milho parem de comercializar internamente. Com certeza prejudica muito os produtores mato-grossenses”, explicou Galvan.

Ainda segundo a Aprosoja-MT, o Governo de Mato Grosso não informou aos produtores que a prorrogação do Convênio 100/97 ainda não está regulamentada e, caso as operações internas ocorram sem o recolhimento do ICMS, como de costume, o produtor rural poderá ser multado. “Além de não regulamentarem esse benefício que os produtores possuem, não informaram que isso ainda não foi regularizado. Isso gera um risco de o produtor, por estar habituado a não ter que recolher o ICMS, fazer a negociação estadual sem o recolhimento do imposto e ser multado. Importante que o produtor fique atento para que, enquanto essa lei não esteja aprovada, que ele não faça comercialização interna, e se fizer, que saiba que terá que pagar 17% de ICMS”, explicou o presidente da Aprosoja Mato Grosso.

Fonte: Aprosoja MT

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita
EVOLUÇÃO
MS registra o 2º maior crescimento de produção de grãos do País, aponta a Conab
MERCADO DO BOI
Importação de gado vivo do Paraguai preocupa criadores de MS
ECONOMIA
Petrobras aumenta preço da gasolina em cerca de 8% nas refinarias
ECONOMIA
Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%
OPORTUNIDADE!
Agência Rural lança programa de fidelização de anunciantes