Menu
Busca quarta, 20 de outubro de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Agrinho 11-10 10-09
ANÁLISE CEPEA

Alta do preço externo e apreciação do dólar impulsionam valores do milho no Brasil

Produtores nacionais se retraíram do mercado, à espera de novas altas

12 agosto 2019 - 16h58Por Esalq/Cepea-Usp*

Os preços do milho voltaram a subir no Brasil nos últimos dias. Segundo colaboradores do Cepea, a influência veio das altas internacionais (CME Group) e da valorização do dólar frente ao Real, que, por sua vez, também impulsionaram as cotações nos portos brasileiros. Diante disso, produtores nacionais se retraíram do mercado, à espera de novas altas.

continua depois da publicidade
Campanha Agrinho 11-10 10-09

Do lado da demanda, compradores se mostram abastecidos para o curto prazo, atentos às entregas de produtos contratados. Estimativas indicando produção e exportação recordes na temporada 2018/19 também afastaram parte dos demandantes do mercado.

Assim, entre 2 e 9 de agosto, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa (Campinas – SP) avançou 2,1%, fechando a R$ 36,61/saca de 60 kg na sexta-feira, 9.

*Conteúdo: Cepea/Esalq-Usp

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAFRA DE MILHO
Com 109 sacas, por hectare, Alcinópolis tem a maior produtividade média de MS, na safrinha
ANÁLISE CEPEA
Com novo reajuste, preço do ovo branco se aproxima do recorde nominal
SAFRA DE SOJA 21/22
Incertezas com relação ao comportamento do clima esfriam expectativas de super safra em MS
MERCADO DA SOJA
Saca da soja acumula valorização de 13% em 12 meses, em MS
MANEJO APÍCOLA
A exemplo das abelhas, gestão e logística são essenciais na multiplicação dos enxames
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Cientistas combinam imagens multiespectrais com raios X para analisar sementes
GESTÃO DE RISCOS
Guia virtual orienta produtores sobre o funcionamento do seguro rural
MERCADO FINANCEIRO
Bolsa cai pelo segundo dia e perde 2,48% em agosto
CRÉDITO FUNDIÁRIO
Prazo para análise de financiamento de imóvel para agricultores familiares diminui para seis meses
ANÁLISE CEPEA
Dados oficiais do IBGE confirmam baixa oferta de animais para abate