Menu
Busca sexta, 05 de março de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Estapi Art 01 super banner
PRODUÇÃO AGRÍCOLA

Estimativas de setembro indicam safra recorde de grãos para 2019

Além disso, são esperados recordes para duas culturas importantes: o milho e o algodão

15 outubro 2019 - 07h14Por Agência IBGE Notícias

Em 2019, o país vai colher 240,7 milhões de tonelada de grãos, segundo o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA), divulgado hoje pelo IBGE. É o maior resultado da série histórica iniciada em 1975. Trata-se de um volume 6,3% maior que o da safra de 2018 e 1% acima do recorde de 2017, que chegou a 238,4 milhões de toneladas.

continua depois da publicidade
Programa de fidelização banner 02

Além disso, são esperados recordes para duas culturas importantes: o milho e o algodão.

A safra de milho foi favorecida pela antecipação do plantio e pelas condições meteorológicas no período. Segundo o analista da pesquisa, Carlos Alberto Barradas, “o clima e os preços promissores estimularam os produtores a investir nessa cultura”. Em 2019, a produção de milho deve chegar a 100,2 milhões de toneladas, das quais cerca de 74,1 milhões são provenientes da segunda safra, que também atingiu seu maior volume.

Em 2019, o Brasil deve colher 6,9 milhões de toneladas de algodão, uma alta de 39% em relação a 2018. Esse recorde, segundo o analista do IBGE, se deveu ao clima favorável e à alta dos preços do produto no mercado internacional, graças à redução dos estoques na China. Cerca de 67,8% da produção de algodão do país sairão de Mato Grosso.

Em contrapartida, houve queda na produção de três culturas importantes: arroz, soja e café. Segundo Barradas, o arroz teve uma “drástica redução” em sua área plantada, principalmente no Rio Grande do Sul, cedendo terreno para a soja, que é mais rentável. “A introdução da cultura irrigada do arroz já permite a rotação dessas culturas”, explicou o analista do IBGE.

No caso do café, espera-se uma redução de 21,2% em relação à safra de 2018, devido à alternância entre anos de alta e de baixa produção, que é uma característica do produto. Já a soja foi prejudicada pela seca e as altas temperaturas que ocorreram durante o plantio, principalmente no Paraná, em São Paulo e Mato Grosso do Sul.

No entanto, Barradas salienta que a produção dessas três culturas ainda manteve um nível excelente, suficiente para atender a demanda desses produtos no país.

*Fonte: Agência IBGE

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita
EVOLUÇÃO
MS registra o 2º maior crescimento de produção de grãos do País, aponta a Conab
MERCADO DO BOI
Importação de gado vivo do Paraguai preocupa criadores de MS
ECONOMIA
Petrobras aumenta preço da gasolina em cerca de 8% nas refinarias
ECONOMIA
Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%
OPORTUNIDADE!
Agência Rural lança programa de fidelização de anunciantes