Menu
Busca sexta, 24 de setembro de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Fendt última semana de Setembro
NOVAS INSTALAÇÕES

Chapadão do Sul passa a ser a capital do algodão, afirma presidente da Ampasul

Tereza Cristina elogia organização da classe e Verruck aponta possíveis investimentos logísticos

29 julho 2019 - 07h30Por Agro Agência*

Com a inauguração da nova sede da Associação dos Produtores de Mato Grosso do Sul (Ampasul), de 4.200 metros quadrados e do laboratório referência em análise da fibra, Chapadão do Sul passa a ser a capital do algodão no Estado. A afirmação do presidente da entidade,  Walter Schlatter, foi durante a solenidade de inauguração da sede, nessa sexta-feira (26), que contou com a presença da Ministra da Agricultura, Tereza Cristina.

continua depois da publicidade
Campanha Fendt última semana de Setembro liderboard
continua depois da publicidade
SENAR-MS  Campanha Prevenção Incêndios 2021

“Normalmente as associações estaduais ficam nas capitais. Mas não é o caso da Ampasul, que tem a intenção de estar mais próxima do produtor”, relata o presidente. “Brasil já foi um dos maiores importadores e viramos o jogo em 20 anos. E em três ou quatro anos, devemos superar os Estados Unidos, completou Schlatter ao ressaltar o papel da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) e a união da classe.

A ministra Tereza Cristina apontou os produtores de algodão como exemplo a ser seguido. “São organizados, são unidos. Quando chegam no Ministério, chegam com o problema e com a receita pronta para a solução. Além da união, existe organização, visão de futuro e estratégia”. 

Ela ainda apontou suas intenções mercadológicas para o algodão. “Precisamos trabalhar para que o Vietnã seja entrada do nosso algodão na Ásia. Conheço os tombos e tudo o que [os cotonicultores] conseguiram de sucesso. Depois que fecharmos as grandes reformas que estão no Congresso Nacional, será um novo Brasil, será um Brasil com esperança, melhor, justo e que acredita na gente trabalhadora”, emendou.

Homenageado, o ex-presidente da Ampasul Darci Agostinho Boff, concordou com a ministra. “Discutimos e resolvemos problemas juntos, tenho orgulho de ter participado dessa história. E tenho certeza que o algodão é um dos setores mais organizados do país”.
Durante a cerimônia o fundado da Associação, Alberto Schlatter, apontou fatos históricos do algodão em MS e comemorou os avanços. “Transformamos essas terras que, há 60 anos, não tinha valor comercial, devido à falta de água, em terras de alta tecnologia, levando o Brasil ao patamar que merece”.

Já o presidente do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), Aroldo Rodrigues da Cunha, parabenizou a categoria pela ligação política. “É muito gratificante ver todos os resultados que temos conquistados. O alinhamento do algodão com o governo é digno. Brasil se tornou segundo maior exportador e aumentou sua produtividade em mais de 100% no período de 10 anos”, pontuou, colocando a Ampasul como um case de sucesso.

Milton Garbugio, presidente da Associação Brasileira de Produtores de Algodão (Abrapa), apontou os desafios das exportações. “Trabalhamos muito para que o algodão tivesse o atual reconhecimento. Vamos colher 2,8 milhões de toneladas e nosso consumo interno é de 700 mil toneladas, os demais vamos ter de exportar. Para isso precisamos de confiabilidade”, destacou. “Esse laboratório não é para melhorar o trabalho da Ampasul. Precisamos de exportar, é para isso que servirá”, esclarece.

Representando o governado Reinaldo Azambuja, Jaime Verruck (Semagro), sinalizou que existem projetos logísticos para a região. “O terminal ferroviário de Chapadão do Sul foi inaugurado e temos certeza que outros investimento virão para região. Quero destacar como o Governo enxerga a agricultura e o algodão. O Programa de Desenvolvimento – PDAgro do Algodão contribui com a produtividade. E quando o Governo abre mão de carga tributária, é em benefício de um determinado setor. E os cotonicultores cumpriram com seu papel”, finaliza.

Também participaram da mesa de autoridades do evento o presidente da Famasul, Mauricio Saito; o presidente da Copasul, representando a OCB/MS, Gervásio Kamitani; e chefe-geral da Embrapa Agropecuária Oeste, Guilherme Asmus. Além dos prefeitos de Costa Rica e Chapadão do Sul, Waldeli dos Santos Rosa e João Carlos Krug, respectivamente.

* Por: Agro Agência

Deixe seu Comentário

Leia Também

MERCADO DA SOJA
Saca da soja acumula valorização de 13% em 12 meses, em MS
MANEJO APÍCOLA
A exemplo das abelhas, gestão e logística são essenciais na multiplicação dos enxames
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Cientistas combinam imagens multiespectrais com raios X para analisar sementes
GESTÃO DE RISCOS
Guia virtual orienta produtores sobre o funcionamento do seguro rural
MERCADO FINANCEIRO
Bolsa cai pelo segundo dia e perde 2,48% em agosto
CRÉDITO FUNDIÁRIO
Prazo para análise de financiamento de imóvel para agricultores familiares diminui para seis meses
ANÁLISE CEPEA
Dados oficiais do IBGE confirmam baixa oferta de animais para abate
ECONOMIA
MS tem crescimento populacional acima da média nacional, com agronegócio impulsionando interior
ARMAZENAMENTO
Conab tem 150 imóveis qualificados no PPI; Hortomercados do RJ estão incluídos
PERSPECTIVAS
Conab estima produção total de 289,6 milhões de toneladas de grãos para safra 2021/22