Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner 03
CONGRESSO DO AGRONEGÓCIO

"Tenho convicção de que estamos fazendo o melhor para nosso país", diz ministra

A ministra da Agricultura criticou notícias que colocam o alimento brasileiro como inseguro e destacou que o uso sustentável de recursos naturais no país deve ser reconhecido

05 agosto 2019 - 14h30Por Mapa*

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) criticou nesta segunda-feira (5) a comunicação negativa nos últimos dias sobre a produção de alimentos no país. Segundo a ministra, todas as medidas adotadas pelo ministério têm o objetivo de melhorar o país.

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO

“É inadmissível que o agronegócio brasileiro tenha tido nessa última semana um bombardeio pela mídia nacional, colocando o alimento produzido no Brasil como inseguro, o que não é verdade", afirmou ao participar da abertura do Congresso Brasileiro do Agronegócio, em São Paulo. “Quero dizer a vocês que eu tenho convicção de que nós estamos fazendo o melhor para o nosso país”, destacou. O congresso é promovido pela Abag – Associação Brasileira do Agronegócio e B3 – Brasil, Bolsa, Balcão, com o tema Agro: Momento Decisivo.

Em relação ao registro de defensivos agrícolas, Tereza Cristina afirmou que o fato de “a fila de registros (de defensivos) andar mais rápido traz tecnologia e segurança. E não o atraso, como querem colocar a pecha no agronegócio brasileiro. Nossos concorrentes devem estar adorando a situação", declarou.

O aumento da velocidade dos registros se deve a ganhos de eficiência possibilitados por medidas desburocratizantes implementadas no Mapa, Anvisa e Ibama nos últimos anos. O objetivo de fazer a fila andar é justamente aprovar novas moléculas, menos tóxicas e que causem menos impacto ao meio ambiente, e oferecer alternativas melhores aos produtos mais antigos.

Demanda por alimentos

O desafio de aumentar a produção de alimentos para atender a demanda crescente de alimentos no mundo foi abordado por Tereza Cristina. “Em dez anos, a demanda aumentará 35%. A população mundial prevista para 2030 é de 8,5 bilhões de pessoas”.  Ao mesmo tempo, observou “é previsto aumento da urbanização, da longevidade e melhoria de renda. A agricultura deve responder a novos desafios”.

Destacou a necessidade de o país se preparar para antecipar e modelar futuros possíveis para o agro brasileiro e mundial. Tratou sobre o acordo Mercosul – União Europeia, que segundo a ministra, “abre um vasto conjunto de oportunidades para as cadeias produtivas”. "Não podemos perder a oportunidade de não perder esta oportunidade", disse. 

Segundo a ministra, Estados Unidos e China seguirão como protagonistas e forças globais predominantes em 2030, a economia japonesa enfrentará grandes desafios, sobretudo devido a fortes pressões demográficas. E que, a Índia, em função de questões geopolíticas e domésticas, terá dificuldades de se colocar como potência mundial. “Enquanto isso, o Brasil ampliará sua capacidade de produzir com competitividade e, sobretudo, com sustentabilidade”.

A ministra tratou de sustentabilidade e disse que "ninguém é mais sustentável que o Brasil" e que o Mapa "trabalha para que o tema ambiental abra e não reduza mercados ao Brasil".

“Cultivamos apenas 7,8% do território, conforme estudo da Embrapa, confirmado pela Nasa. Cerca de 30% do território nacional são unidades de conservação e terras indígenas. O último relatório da ONU sobre áreas protegidas do mundo afirma: o Brasil é que tem a maior área protegida do planeta. Essas realidades fazem parte de nossa sustentabilidade, precisam ser conhecidas e reconhecidas aqui e no exterior”, afirmou. A expansão de área de produção, daqui para a frente, explicou a ministra, se dará pelo avanço das lavouras de grãos sobre pastagens degradadas.

Uso de tecnologia

Tereza Cristina disse que a competitividade dependerá de técnicas de edição genômica (New Breeding Technologies – NBT), da bioeconomia (uso intensivo de bioinsumos, química verde, fármacos e compostos bioativos, derivação da biomassa), do uso sustentável dos recursos naturais, da redução do desperdício de alimentos, da gestão de risco climático e da capacidade de agregar valor à produção.

Ela afirmou ainda que o avanço da agricultura digital, com o uso de sensores, drones, internet das coisas, inteligência artificial, análise de dados e o estudo e conhecimento aprofundado dos microbiomas, agricultura de precisão e a convergência tecnológica (bio, nano e geotecnologias).

“O aumento do número e o crescimento em participação no setor agrícola das chamadas agritechs (startups ligadas ao agro) está ampliando a competitividade, a sustentabilidade e a produtividade no campo”. E adiantou que a transformação digital movimentará US$ 90 bilhões em 2030, seguindo uma tendência de crescimento de 16% ao ano.

“Com tecnologias de ponta e tendo a sustentabilidade como pano de fundo, acredito que o Brasil será o maior, o mais competitivo e o mais sustentável produtor de alimentos do mundo em 2030”, disse. 

Acompanharam a ministra o secretário-executivo Marcos Montes e o secretário de Política Agrícola, Eduardo Sampaio Marques.

* Por: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita