Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Estapi Art 01 super banner
PRODUTIVIDADE

Setor prevê fechar 2019 com aumento da produção de carne de frango

Exportações devem acumular 4,2 milhões de toneladas, alta de 2,4%

12 dezembro 2019 - 14h19Por Agência Brasil*

A produção de carne de frango no país deve chegar a 13,15 milhões de toneladas em 2019, 2,3% a mais do que no ano anterior. As exportações devem acumular 4,2 milhões de toneladas, uma alta de 2,4% ante as 4,1 milhões de toneladas de 2018. De janeiro a novembro, as exportações atingiram US$ 6,358 bilhões, 6,1% a mais do que no mesmo período do ano passado. Os dados foram divulgados hoje (12) pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
JA Training

No caso da carne suína, a produção deve passar dos 3,9 milhões de toneladas em 2018 para 4,1 milhões de toneladas este ano, o que corresponde a um crescimento de 2,5%. As exportações devem registrar elevação de 14,5% ao passar de 646 mil toneladas para 740 mil toneladas.

Em valores, a receita das exportações de suíno totalizaram US$ 1,413 bilhão de janeiro a novembro, refletindo em um aumento de 27,9% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Em volume, nesse período foram exportadas 674,2 mil toneladas, 14,4%, a mais do que entre janeiro e novembro de 2018.

Os dados mostram ainda que a produção de ovos deve totalizar 49 bilhões de unidades em 2019, 10% a mais do que em 2018. Apesar da alta na produção, as exportações devem registrar queda de 30% no volume, passando de 11,6 mil toneladas para 8 mil toneladas.

Preços 

De acordo com a entidade, o preço dos produtos brasileiros foram influenciados pela forte crise sanitária da China, com focos de Peste Suína Africana, que elevou as importações desse tipo de proteína por aquele país. "A elevação do preço da carne bovina, influenciada também por fatores climáticos, alavancou os preços de suínos e aves", disse a ABPA.

Com relação aos aumento de preço das aves e suínos para o consumidor na ponta da cadeia, o presidente da ABPA, Francisco Turra enfatizou que não se pode esperar que quando a demanda é muito maior do que a oferta o preço não suba. "Mas quero ressaltar que em aves e suínos passamos quatro anos com preços estáveis, baixos, perdas imensas, fábricas fechadas que reabriram agora. É óbvio que o preço será um pouco mais elevado. É uma questão de mercado", afirmou.

Segundo Turra, nos últimos doze anos nenhum ano foi tão surpreendente e positivo quanto 2019 para o setor. "Nós tivemos momentos de crise, passamos momentos em que a produção não só estabilizava, mas até caía um pouco. Tivemos dificuldade nas exportações para abrir alguns mercados e esse ano, em função do que aconteceu com a peste suína africana na China e em 20 outros países, abriu um caminho imenso para a proteína como um todo".

Turra garantiu que, mesmo com a demanda externa crescendo, não haverá desabastecimento do mercado interno, porque 70% da produção de aves e 80% da produção de suínos fica no Brasil, que é o grande mercado do setor. "Ovos então nós temos um quantitativo que eu diria 99% da produção para o mercado interno. É uma questão de ajuste, um pouco de aumento da produção dentro do possível".

*Fonte: Agência Brasil

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita