Menu
Busca sexta, 07 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner 03
COMÉRCIO EXTERIOR

Saldo da balança comercial de MS chega a US$ 2,2 bilhões no acumulado de janeiro a setembro

As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo do mês de outubro

15 outubro 2019 - 17h10Por Semagro*

De janeiro a setembro de 2019, Mato Grosso do Sul acumula um saldo de US$ 2,264 bilhões na balança comercial, com destaque para o crescimento nas exportações de celulose, milho, carne bovina e algodão. As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo do mês de outubro, publicada pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO

A celulose se mantém como primeiro produto na pauta de exportações, representando 37,8% do total exportado em termos do valor. Também registrou aumento nos valores negociados (7,99%) e em volume (7,39%), em relação ao mesmo período no ano passado. Embora haja uma queda de 43,93% nas exportações de soja, o grão ainda configura como segundo produto da pauta, correspondendo a 24,14% do total exportado de janeiro a setembro de 2019.

Destaque para a expansão nas exportações de milho, com 337,15% de aumento em relação ao mesmo período do ano passado. “Tivemos uma safra recorde de 12 milhões de toneladas e o governo fez uma flexibilização, permitindo o aumento das vendas externas. O resultado foi que nós estamos exportando mais de 1,6 milhão de toneladas neste ano, com crescimento substancial em relação à produção e às exportações do ano passado”, comentou o secretário Jaime Verruck, da Semagro.

Com relação à soja, o titular da Semagro lembra que “nós tivemos uma redução significativa das nossas exportações, seja em consequência de uma diminuição na demanda mundial e também pelo aumento do processamento interno do grão em Mato Grosso do Sul e isso vai ser uma tendência. Em novembro será inaugurada uma nova fábrica de soja, em Dourados e no ano que vem vamos inaugurar mais uma. A tendência é de que o Estado reduza as exportações de grãos aumentando a exportação de farelo”.

Outros destaques no resultado acumulado de janeiro a setembro deste ano foram o aumento nas exportações de carne bovina e do algodão. “A carne bovina teve um crescimento de 20,76% em relação ao ano passado. Ainda há espaço para crescer e isso deve ocorrer em função da habilitação de frigoríficos para o comércio com os Estados Unidos, Japão e China. No algodão, nós tivemos uma excepcional safra. O volume de exportações ainda é pequeno relação às outras culturas, mas o crescimento foi significativo, de 17%. Isso mostra o Estado muito bem posicionado no mercado internacional”, comentou o secretário.

A China continua sendo o maior destino das exportações com 42% com crescimento das exportações para os Estados Unidos e Japão. Em termos regionais, Três Lagoas segue como principal município exportador com 50,39% do total exportado seguido por Campo Grande com 9%. “A celulose hoje representa 42% das exportações, fazendo com que o município de Três Lagoas se destaque, já que toda a indústria de celulose do Estado se concentra no município”, finalizou Jaime Verruck.

*Semagro

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita