Menu
Busca domingo, 01 de agosto de 2021
(67) 99874-0557
ANUNCIO IMPACT 1260X200 INSERÇÃO 03
COMÉRCIO EXTERIOR

Saldo da balança comercial de MS chega a US$ 2,2 bilhões no acumulado de janeiro a setembro

As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo do mês de outubro

15 outubro 2019 - 17h10Por Semagro*

De janeiro a setembro de 2019, Mato Grosso do Sul acumula um saldo de US$ 2,264 bilhões na balança comercial, com destaque para o crescimento nas exportações de celulose, milho, carne bovina e algodão. As informações estão na Carta de Conjuntura do Setor Externo do mês de outubro, publicada pela Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar).

continua depois da publicidade
ANUNCIO IMPACT 728X60 INSERÇÃO 03 OK
continua depois da publicidade
JA Training

A celulose se mantém como primeiro produto na pauta de exportações, representando 37,8% do total exportado em termos do valor. Também registrou aumento nos valores negociados (7,99%) e em volume (7,39%), em relação ao mesmo período no ano passado. Embora haja uma queda de 43,93% nas exportações de soja, o grão ainda configura como segundo produto da pauta, correspondendo a 24,14% do total exportado de janeiro a setembro de 2019.

Destaque para a expansão nas exportações de milho, com 337,15% de aumento em relação ao mesmo período do ano passado. “Tivemos uma safra recorde de 12 milhões de toneladas e o governo fez uma flexibilização, permitindo o aumento das vendas externas. O resultado foi que nós estamos exportando mais de 1,6 milhão de toneladas neste ano, com crescimento substancial em relação à produção e às exportações do ano passado”, comentou o secretário Jaime Verruck, da Semagro.

Com relação à soja, o titular da Semagro lembra que “nós tivemos uma redução significativa das nossas exportações, seja em consequência de uma diminuição na demanda mundial e também pelo aumento do processamento interno do grão em Mato Grosso do Sul e isso vai ser uma tendência. Em novembro será inaugurada uma nova fábrica de soja, em Dourados e no ano que vem vamos inaugurar mais uma. A tendência é de que o Estado reduza as exportações de grãos aumentando a exportação de farelo”.

Outros destaques no resultado acumulado de janeiro a setembro deste ano foram o aumento nas exportações de carne bovina e do algodão. “A carne bovina teve um crescimento de 20,76% em relação ao ano passado. Ainda há espaço para crescer e isso deve ocorrer em função da habilitação de frigoríficos para o comércio com os Estados Unidos, Japão e China. No algodão, nós tivemos uma excepcional safra. O volume de exportações ainda é pequeno relação às outras culturas, mas o crescimento foi significativo, de 17%. Isso mostra o Estado muito bem posicionado no mercado internacional”, comentou o secretário.

A China continua sendo o maior destino das exportações com 42% com crescimento das exportações para os Estados Unidos e Japão. Em termos regionais, Três Lagoas segue como principal município exportador com 50,39% do total exportado seguido por Campo Grande com 9%. “A celulose hoje representa 42% das exportações, fazendo com que o município de Três Lagoas se destaque, já que toda a indústria de celulose do Estado se concentra no município”, finalizou Jaime Verruck.

*Semagro

Deixe seu Comentário

Leia Também

ESPECIAL PUBLICITÁRIO
Fendt IDEAL: nenhuma outra colheitadeira oferece mais tecnologia e potência
SISTEMAS ALIMENTARES
Combate à fome e papel das mulheres na produção de alimentos são temas de evento em Roma
SEGURANÇA ALIMENTAR
PAA já entregou mais de 570 toneladas de alimentos para doação em MS
ANÁLISE CEPEA
Queda externa interrompe movimento de alta dos preços da soja no Brasil
ECONOMIA
MS se mantém na liderança da exportação de tilápia no primeiro semestre de 2021
FINANÇAS
Com informação, orçamento familiar tem melhora de até 70% na rentabilidade
MERCADO INTERNACIONAL
Temor com variante delta eleva dólar para R$ 5,25
ANÁLISE CEPEA
Indicador do milho se aproxima de R$100/sc
ESPECIAL PUBLICITÁRIO
90 Anos da Fendt e 25 anos da transmissão vario
ANÁLISE CEPEA
Preço da soja volta a subir com força no Brasil