Menu
Busca sexta, 05 de março de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Estapi Art 01 super banner
CAFÉ DO BRASIL

Produção de café pode chegar a 62 milhões de sacas em 2020

O dado faz parte do 1º Levantamento da Safra 2020, divulgado pela Conab

17 janeiro 2020 - 08h13Por MAPA*

Em 2020, o país pode colher entre 57,2 milhões e 62,02 milhões de sacas beneficiadas de café, volume 15,9% a 25,8% maior em comparação à produção de 2019 . É o que mostra o 1º Levantamento da Safra 2020 de Café, divulgado nesta quinta-feira (16) pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

Do total estimado, devem ser colhidas 43,2 milhões a 45,93 milhões de sacas beneficiadas de arábica (alta de 26% a 4,1% em relação à safra passada), influenciada pela bienalidade, que é uma característica do cafeeiro, quando em uma safra a planta apresenta maior produtividade, no ano seguinte, a produção é menor para compensar a energia exigida da planta na colheita anterior. 

No caso do conilon, a estimativa é de 13,95 milhões a 16,04 milhões de sacas (crescimento de 6,8%). 

As estimativas de 2020 mostram um redução na comparação com 2018, quando foi alcançado recorde de 62 milhões de sacas (arábica e conilon). O diretor do Departamento de Comercialização e Abastecimento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Sílvio Farnese, explica que as lavouras de arábica sofreram com o clima no final do ano passado (altas temperaturas e pouca chuva) comprometendo a produtividade e, provocando queda na estimativa de produção entre 1,5 milhão e 4,3 milhões de sacas em relação a 2018.

Entre os estados cafeicultores, a estimativa para Minas Gerais é de 30,71 milhões a 32,08 milhões de sacas. Em  seguida estão Espírito Santo (13,02 a 15,44 milhões de sacas), São Paulo (5,71 a 6,1 milhões), Bahia (3,6 a 4,1 milhões), Rondônia (2,34 a 2,39 milhões), Paraná (880 mil a 970 mil), Rio de Janeiro (316 a 350 mil), Goiás (265,2 a 276 mil) e Mato Grosso (159 a 168,8 mil).

No mercado internacional, os preços futuros dos contratos de arábica e conilon recuaram neste início de ano após as fortes altas verificadas nos meses de novembro e dezembro e 2019. A normalização do clima com o retorno das chuvas nas regiões cafeeiras do Brasil e a entrada de produto de origem colombiana e de países da América Central têm contribuído para o arrefecimento das cotações.

*Fonte: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita
EVOLUÇÃO
MS registra o 2º maior crescimento de produção de grãos do País, aponta a Conab
MERCADO DO BOI
Importação de gado vivo do Paraguai preocupa criadores de MS
ECONOMIA
Petrobras aumenta preço da gasolina em cerca de 8% nas refinarias
ECONOMIA
Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%
OPORTUNIDADE!
Agência Rural lança programa de fidelização de anunciantes