Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner
SANIDADE EQUÍDEA

Ministério da Agricultura avalia critérios para declarar RS livre de mormo

Serão analisados os critérios a serem atendidos para obtenção do status sanitário de livre da doença

27 agosto 2019 - 09h02Por MAPA*

s etapas que o Rio Grande do Sul terá que vencer para ser considerado zona livre de mormo serão discutidas nesta terça-feira (27), na Expointer, em Esteio (RS), a partir das 9h, durante a reunião técnica do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) com a Divisão de Defesa Agropecuária do Estado. Os responsáveis pelo Programa Estadual de Sanidade Equídea analisarão os critérios a serem atendidos para obtenção do status sanitário de livre da doença.

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

O RS solicitou o reconhecimento de zona livre de mormo em março. O mormo é uma infecção transmitida, inclusive ao ser humano, pela bactéria Burkholderia mallei por secreções nasais, orais, oculares, fezes e urina de animais infectados. É encontrada na América Latina, África e Ásia.

Ainda na Expointer, no dia 28, será feita a apresentação do Programa Nacional de Sanidade Equídea (PNSE), na reunião da Câmara Setorial de Equinos do RS e no II Congresso Internacional de Bem-Estar para Animais de Provas e Rodeios. O PNSE prevê a realização de estudos epidemiológicos; fiscalização e controle do trânsito de equídeos; cadastramento, fiscalização e certificação sanitária de estabelecimentos e intervenção imediata quando da suspeita ou ocorrência de doença de notificação obrigatória.

Diretrizes

A Instrução Normativa número 6, de 16 de janeiro de 2018, fixou as Diretrizes Gerais para Prevenção, Controle e Erradicação do Mormo no Território Nacional, no âmbito do Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos. Segundo o Programa, para uma zona ser declarada livre do mormo, é preciso que não haja registro de caso confirmado da doença durante os três últimos anos. Também são exigidos testes laboratoriais para a entrada e saída de equídeos no estado

O trânsito de equídeos deve ser controlado pelos órgãos de sanidade agropecuária, incluindo análise de risco de movimentação de animais através das fronteiras internacionais. O cadastro dos estabelecimentos e dos produtores deve estar atualizado com a utilização de imagens de satélite. Outra exigência é um programa de vigilância epidemiológica que inclua a realização de estudo soroepidemiológico na população de equídeos da zona envolvida, que tenha demostrado a ausência de infecção, durante os últimos 12 meses.

Se forem cumpridas todas as exigências, o Ministério, declara e publica a autodeclaração de área livre e encaminha o pleito à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) para o reconhecimento internacional da ausência da enfermidade. 

Em 2018, foram registrados 29 casos de mormo no Brasil, somando 16 focos, a maioria em Pernambuco. Os casos envolvem animais individualmente e os focos representam as propriedades. Neste ano, até maio, foram confirmados 7 focos: 2 em Pernambuco, 2 em São Paulo, e um caso em Alagoas, no Ceará e na Bahia.

*Fonte: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita