Menu
Busca terça, 19 de outubro de 2021
(67) 99874-0557
Campanha Agrinho 11-10 10-09
PESCA

Esplanada dos Ministérios recebe nesta quarta-feira Primeiro Festival Tambaqui da Amazônia

Seis toneladas do peixe serão assadas e distribuídas ao público a partir do meio-dia

07 agosto 2019 - 09h01Por MAPA*

A Esplanada dos Ministérios recebe nesta quarta-feira (7) o Primeiro Festival Tambaqui da Amazônia. Seis toneladas de peixes (o equivalente a 4 mil bandas) serão assadas e distribuídas ao público a partir das 12h. As churrasqueiras de chão ficarão instaladas no canteiro central, perto do bloco D, sede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

continua depois da publicidade
Campanha Agrinho 11-10 10-09

Um dos objetivos do festival é tornar mais conhecido o peixe amazônico – rico em proteína - e também estimular o hábito de consumo de pescados entre os brasileiros. O evento tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Ao conceder entrevista nesta terça-feira (6) sobre o festival, o secretário de Aquicultura e Pesca do Mapa, Jorge Seif Júnior, destacou que o brasileiro consome 10 quilos de pescado por ano. A média mundial é o dobro: 20 quilos por ano.

“O brasileiro precisa despertar para a qualidade do pescado brasileiro. Nós, enquanto nação, como país com maior quantidade de recursos hídricos do mundo, não podemos continuar sendo importadores de pescado. Precisamos incentivar a produção nacional, o consumo. As crianças brasileiras precisam conhecer o peixe brasileiro”, disse o secretário.

De acordo com Seif, o Brasil importa US$ 1 trilhão de pescados por ano de países como Vietnã, Rússia e Argentina. Já as exportações somam US$ 200 milhões. Para estimular o setor, a secretaria trabalha para facilitar o acesso do produtor ao crédito, desburocratizar normas e reduzir barreiras ambientais. “Acabar com essa esquizofrenia de leis que não têm sentido”, afirmou o secretário.

A ideia do evento surgiu do “Churrasco de Tambaqui”, realizado há três anos no município de Ariquemes (RO).  O governador de Rondônia, Marcos Rocha, destacou que o estado é o maior produtor de peixes nativos em cativeiro. O tambaqui é criado em tanques escavados, não havendo pesca predatória (a espécie não é retirada dos rios).

Marcos Rocha disse ainda que representantes das embaixadas, localizadas em Brasília, foram convidados para o festival. “Quem prova o tambaqui, aprova”, brincou.  

Os peixes do festival foram doados pela Associação de Criadores de Peixes do Estado de Rondônia (Acripar), Zaltana Pescados e Agrofish.

O presidente da Acripar, Francisco Farina, informou que cerca de 40 produtores de Rondônia doaram os peixes, trazidos em caminhão frigorífico. A viagem durou três dias. Conforme Farina, a expectativa dos criadores é que o governo federal continue adotando ações para aprimorar a cadeia produtiva. Em 2018, a comercialização do tambaqui movimentou de R$ 450 milhões a R$ 500 milhões no estado.

O festival tem o apoio do governo do Distrito Federal e do Sebrae. Participaram também da entrevista: o secretário de Agricultura de Rondônia, Evandro Padovani; o secretário de Agricultura do Distrito Federal, Dilson de Almeida; e o diretor de Administração e Finanças do Sebrae Nacional, Eduardo Diogo.

*Fonte: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

SAFRA DE MILHO
Com 109 sacas, por hectare, Alcinópolis tem a maior produtividade média de MS, na safrinha
ANÁLISE CEPEA
Com novo reajuste, preço do ovo branco se aproxima do recorde nominal
SAFRA DE SOJA 21/22
Incertezas com relação ao comportamento do clima esfriam expectativas de super safra em MS
MERCADO DA SOJA
Saca da soja acumula valorização de 13% em 12 meses, em MS
MANEJO APÍCOLA
A exemplo das abelhas, gestão e logística são essenciais na multiplicação dos enxames
TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
Cientistas combinam imagens multiespectrais com raios X para analisar sementes
GESTÃO DE RISCOS
Guia virtual orienta produtores sobre o funcionamento do seguro rural
MERCADO FINANCEIRO
Bolsa cai pelo segundo dia e perde 2,48% em agosto
CRÉDITO FUNDIÁRIO
Prazo para análise de financiamento de imóvel para agricultores familiares diminui para seis meses
ANÁLISE CEPEA
Dados oficiais do IBGE confirmam baixa oferta de animais para abate