Menu
Busca sábado, 08 de maio de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner 03
PESCA

Esplanada dos Ministérios recebe nesta quarta-feira Primeiro Festival Tambaqui da Amazônia

Seis toneladas do peixe serão assadas e distribuídas ao público a partir do meio-dia

07 agosto 2019 - 09h01Por MAPA*

A Esplanada dos Ministérios recebe nesta quarta-feira (7) o Primeiro Festival Tambaqui da Amazônia. Seis toneladas de peixes (o equivalente a 4 mil bandas) serão assadas e distribuídas ao público a partir das 12h. As churrasqueiras de chão ficarão instaladas no canteiro central, perto do bloco D, sede do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO

Um dos objetivos do festival é tornar mais conhecido o peixe amazônico – rico em proteína - e também estimular o hábito de consumo de pescados entre os brasileiros. O evento tem o apoio do presidente Jair Bolsonaro.

Ao conceder entrevista nesta terça-feira (6) sobre o festival, o secretário de Aquicultura e Pesca do Mapa, Jorge Seif Júnior, destacou que o brasileiro consome 10 quilos de pescado por ano. A média mundial é o dobro: 20 quilos por ano.

“O brasileiro precisa despertar para a qualidade do pescado brasileiro. Nós, enquanto nação, como país com maior quantidade de recursos hídricos do mundo, não podemos continuar sendo importadores de pescado. Precisamos incentivar a produção nacional, o consumo. As crianças brasileiras precisam conhecer o peixe brasileiro”, disse o secretário.

De acordo com Seif, o Brasil importa US$ 1 trilhão de pescados por ano de países como Vietnã, Rússia e Argentina. Já as exportações somam US$ 200 milhões. Para estimular o setor, a secretaria trabalha para facilitar o acesso do produtor ao crédito, desburocratizar normas e reduzir barreiras ambientais. “Acabar com essa esquizofrenia de leis que não têm sentido”, afirmou o secretário.

A ideia do evento surgiu do “Churrasco de Tambaqui”, realizado há três anos no município de Ariquemes (RO).  O governador de Rondônia, Marcos Rocha, destacou que o estado é o maior produtor de peixes nativos em cativeiro. O tambaqui é criado em tanques escavados, não havendo pesca predatória (a espécie não é retirada dos rios).

Marcos Rocha disse ainda que representantes das embaixadas, localizadas em Brasília, foram convidados para o festival. “Quem prova o tambaqui, aprova”, brincou.  

Os peixes do festival foram doados pela Associação de Criadores de Peixes do Estado de Rondônia (Acripar), Zaltana Pescados e Agrofish.

O presidente da Acripar, Francisco Farina, informou que cerca de 40 produtores de Rondônia doaram os peixes, trazidos em caminhão frigorífico. A viagem durou três dias. Conforme Farina, a expectativa dos criadores é que o governo federal continue adotando ações para aprimorar a cadeia produtiva. Em 2018, a comercialização do tambaqui movimentou de R$ 450 milhões a R$ 500 milhões no estado.

O festival tem o apoio do governo do Distrito Federal e do Sebrae. Participaram também da entrevista: o secretário de Agricultura de Rondônia, Evandro Padovani; o secretário de Agricultura do Distrito Federal, Dilson de Almeida; e o diretor de Administração e Finanças do Sebrae Nacional, Eduardo Diogo.

*Fonte: MAPA

Deixe seu Comentário

Leia Também

RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado
INOVAÇÃO
Empresário cria cerveja à base de soja
BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita