Menu
Busca domingo, 13 de junho de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner 03
QUEIMADAS

Chuva ameniza situação, mas Força-Tarefa se mantém alerta contra fogo no Pantanal

O fogo teria consumido cerca de 400 hectares da reserva, que tem 1,3 mil hectares

26 setembro 2019 - 07h16Por Semagro*

A Sala de Situação do Sistema de Comando de Incidente (SCI),em Aquidauana, montada pelo Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul para coordenar a força-tarefa de combate aos incêndios florestais, anunciou a permanência das equipes de brigadistas nas bases de operação, mesmo com a ocorrência de chuvas em toda a região do Pantanal e na borda onde haviam focos de calor.

continua depois da publicidade
A DE ABELHA - ALFABETIZAÇÃO 02
continua depois da publicidade
Campanha Estampi Art 01 Square Banner

“Foi deliberado que na data de hoje (quarta-feira) serão mantidas as equipes nos locais já estabelecidos e será realizado o monitoramento dos focos de incêndios que estavam send combatidos. Este monitoramento será desempenhado pela força-tarefa em solo, através de veículos nos locais acessíveis e disposição de militares em vigilância”, informou o boletim divulgado pelo SCI.

Fogo na morraria

A operação vinha sendo desenvolvida em quatro frentes: fazendas Rancho Grande, Caiman, Bodoquena e São Roque, nos pantanais de Miranda, Aquidauana e Corumbá. Um dos principais focos que vinha sendo combatido, até a noite de terça-feira (24), era em uma reserva da fazenda Bodoquena, do grupo Votorantim, próximo à cidade de Miranda. Local de morraria, difícil acesso.

O fogo teria consumido cerca de 400 hectares da reserva, que tem 1,3 mil hectares, situada próxima a rodovia MS-243, segundo o diretor da fazenda, Edgar Ribeiro da Silva. Ele informou que o incêndio começou há 40 dias na Creta, fazenda vizinha, em direção ao sul, e foi extinto. Porém, reacendeu novamente, com o veNto soprando as chamas para Oeste, em direção à Bodoquena, que tem 80 mil hectares.

“Nos últimos dias paramos de trabalhar e saímos atrás do fogo”, disse ele, explicando que a fazenda tem pessoal treinado e maquinários para combate a incêndios e auxiliou várias propriedades atingidas pelo fogo, entre Miranda e Corumbá. Nos focos ao redor da Bodoquena o Corpo de Bombeiros utilizou pessoal por terra e lançamento de água pelo helicóptero “Águia 14”, da PM de São Paulo.

Combate aéreo

Conforme o planejamento elaborado pelo SCI para esta quarta-feira, devido às condições meteorológicas, a operação aérea foi momentaneamente paralisada, com a permanência dos helicópteros “Águia” e “Pantera” (do Exército) e do avião Air Tracktor, do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, permanecendo no solo, na fazenda Caiman. As aeronaves aguardariam condição climática a pouso e decolagem, segundo o cordenador do SCI, tenente-coronel Huesley Silva.

Na terça-feira (24), o “Águia” foi empregado no deslocamento de militares para os focos mais afastados e inacessíveis por terra, além de vários voos de reconhecimento. Também realizou 62 lançamentos de água – dispõe de uma bolsa de capacidade de 540 litros -, perfazendo um total de 25 mil litros de água jogados nos incêndios. O avião Air Tracktor também lançou cerca de 8.500 litros de água em três horas e 10 minutos de voo.

*Fonte: Semagro

Deixe seu Comentário

Leia Também

ANÁLISE CEPEA
Com baixa oferta de animais em peso de abate, preço do suíno vivo sobe
SUA LAVOURA MERECE!
Com 517 cv, Fendt 1000 Vario esbanja tecnologia e é considerado o maior trator monobloco do mundo
BIOTECNOLOGIA
Região Sul-Fronteira de MS é a que mais se dedica ao manejo biológico da soja
70 ANOS!
Eduardo Riedel confirma apresentação nos 70 anos do SRCG
ANÁLISE CEPEA
Alta externa eleva movimentação de soja nos portos brasileiros
MADEIRA
Com grande reserva de madeira, MS tem potencial de exportação para gigantes da celulose
RECURSOS HÍDRICOS
MS mantém destaque nacional no cumprimento de metas da ANA na gestão de recursos hídricos
ENERGIA
Semagro entrega licença de operação para usina inédita movida a biomassa de eucaliptos
TECNOLOGIA
Sem tratamento antifúngico adequado, pecuarista pode perder até um terço da silagem
ECONOMIA
Valor da Produção Agropecuária de 2021 deve ser 12,4% maior que o do ano passado