Menu
Busca quinta, 04 de março de 2021
(67) 99874-0557
Programa de fidelização banner 03
AGROENERGIA

Geração de energia "carbono zero" impulsiona projetos e pesquisas de forma sustentável

A produção de eletricidade com baixa emissão de gases de efeito estufa é o foco do Projeto Sucre, que será debatido durante a 27ª FENASUCRO & AGROCANA, e segue a tendência do mercado de biomassa

06 agosto 2019 - 08h05Por * Pháfrica de Ideas

A geração de energia "carbono zero" é um dos principais potenciais da matriz energética brasileira e ganha destaque por meio da produção limpa e renovável, feita a partir da biomassa advinda da moagem da cana-de-açúcar (bagaço e palha), de restos de madeira, biogás, carvão vegetal, casca de arroz, capim-elefante e outras biomassas.

continua depois da publicidade
Programa de fidelização banner 02

De acordo com dados da UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), a capacidade instalada, atualmente outorgada no país pela ANEEL, é de 169.664 MW, representando 9% da matriz elétrica do Brasil, ocupando a 4ª posição sendo superada somente pelas usinas de fonte hídrica, termelétricas a gás natural e eólicas.

A posição estratégica da bioenergia estimula o interesse do setor que busca informações e atualizações de plantas industriais. Neste sentido, a 27ª FENASUCRO & AGROCANA, que acontecerá de 20 a 23 de agosto, em Sertãozinho (SP), conta com o tema "Renovando seus negócios" e apresentará soluções e conteúdos voltados para o cenário da matriz bioenergética.

"Os anos de 2018 e 2019 vêm mostrando a relevância da bioenergia e, por isso, inúmeras empresas querem se relacionar e desenvolver produtos para esse setor", afirma Paulo Montabone, diretor da feira.

A entidade e os representantes do setor acreditam que por meio do RenovaBio (Política Nacional de Biocombustíveis), política criada para garantir o papel estratégico dos biocombustíveis e a segurança energética, a bioeletricidade sucroenergética para a rede tem potencial para crescer em quase 60% até 2030, saindo de 21,5 mil GWh, em 2018, para 34 mil GWh, em 2030.

A geração de bioeletricidade, em 2018, equivale ao consumo anual de 11,4 milhões de residências e evitou a emissão de 6,4 milhões de CO2, o que só pode ser possível com o cultivo de 45 milhões de árvores nativas ao longo de 20 anos.

"Existe um grande potencial a se trabalhar. Mesmo com o potencial de crescimento até 2030 utilizaremos apenas 20% da capacidade de produção. É o momento de modernização do setor elétrico e a bioeletricidade tem muita competitividade", afirma Zilmar José de Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA.

 Zilmar José de Souza, gerente de bioeletricidade da UNICA. Foto: Niels Andreas

 

Pesquisa e novas tecnologias

O potencial e as inovações no setor de geração de energia "carbono zero" envolvem a produção de pesquisas em busca de novas tecnologias como o Projeto SUCRE (Sugarcane Renewable Electricity), realizado pelo Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR) do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) e financiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (em inglês, Global Environment Facility – GEF) e em parceria com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD).

Os aspectos do projeto, que tem como objetivo aumentar a produção de eletricidade com baixa emissão de gases de efeito estufa (GEE) na indústria de cana-de-açúcar, serão apresentados na 27ª edição da Fenasucro & Agrocana durante o IX Seminário de bioeletricidade, no dia 21 de agosto, a partir das 9h30, no auditório Fenasucro.

Na ocasião, o pesquisador Marcos Watanabe destacará a identificação e sugestão de soluções para transpor as barreiras tecnológicas, econômicas e agroambientais para o uso pleno e sistemático da palha da cana-de-açúcar para a produção de bioeletricidade.

"O uso da palha da cana-de-açúcar tem potencial para atender 100% da demanda residencial atual de todo o país", afirma Watanabe.

Setor se reúne em agosto

Todas as discussões que envolvem o setor sucroenergético e de bioenergia serão tratadas durante a 27ª FENASUCRO & AGROCANA, que acontecerá de 20 a 23 de agosto, em Sertãozinho (SP).

Realizado pelo CEISE Br (Centro Nacional das Indústrias do Setor Sucroenergético e Biocombustíveis) e organizado pela Reed Exhibitions Alcantara Machado, o evento reunirá empresários do Brasil e do exterior em busca de projetos e soluções focados nas oportunidades e perspectivas de negócios envolvendo a matriz energética sustentável. A Feira Internacional de Bioenergia também apresentará uma grade de eventos de conteúdo com a presença de representantes de diversas entidades, órgãos governamentais, universidades, empresas multinacionais, entre outros, que abordarão temas como RenovaBio, bioeletricidade, transporte e logística, mercado sucroalcooleiro e indústria 4.0.

O pré-credenciamento da 27ª FENASUCRO & AGROCANA está aberto pelo site: www.fenasucro.com.br.

*Por: Pháfrica de Ideas

Deixe seu Comentário

Leia Também

BOLETIM DO SUÍNO
Cotações do suíno vivo caem em janeiro, enquanto valores dos principais insumos da atividade sobe
INTERNACIONAL
Chamada pública conjunta entre Brasil e Alemanha recebe propostas de projetos de bioeconomia
ANÁLISE CEPEA
Exportações de carne suína recuam em janeiro de 2021
MERCADO DO BEZERRO
Indicador do bezerro, em Mato Grosso do Sul, valoriza 60,6% em 12 meses
COLHEITA DA SOJA
Com atraso, agricultores de MS começam a colheita
EVOLUÇÃO
MS registra o 2º maior crescimento de produção de grãos do País, aponta a Conab
MERCADO DO BOI
Importação de gado vivo do Paraguai preocupa criadores de MS
ECONOMIA
Petrobras aumenta preço da gasolina em cerca de 8% nas refinarias
ECONOMIA
Mercado financeiro aumenta projeção da inflação para 3,60%
OPORTUNIDADE!
Agência Rural lança programa de fidelização de anunciantes